Qualquer profissional que se sinta seguro para cumprir estas duas regras, pode ser um vendedor de software.

 

Em um mundo cada vez mais social e colaborativo, a regra NÚMERO 1 em vendas é: Construir relacionamentos.

E quando falo em construir relacionamento, não quero dizer que você precisa ser íntimo do seu prospect. Esse tipo de relacionamento você não vai conseguir ter com todas as pessoas.

Uma boa forma de construir relacionamento com seu cliente é ter algo que ele deseje. E pode ser algo desde ser uma pessoa agradável até ter uma informação que ele não tem.

E por isso você perde relacionamento depois de uma venda ou de um contato. Se ele já tem o que você tinha, você deixa de ser importante para ele.

“Mas André, eu sou um vendedor nato e demonstrar o software não é meu forte!” Então é preciso entender a segunda regra.

A regra #2 em vendas, especificamente em venda de software, é que você precisa entender tanto de negócios como a parte técnica da solução que você vende. Sem isso, não tem como transmitir segurança e nem se relacionar com autoridade.

Eu penso que não seria preciso ser um técnico especialista que faz até a definição de escopo, responde RFP etc. Eu tive sorte porque fui TI em empresas, fiz atendimento a clientes, passei para a consultoria e depois entrei no comercial.

Conheço bons vendedores que não fizeram o mesmo caminho, mas uma coisa temos em comum: Sabemos do que estamos falando. Isso passa muita confiança para quem está nos ouvindo.

Mas se você não conseguir fazer uma apresentação da solução que você vende sozinho, é melhor trabalhar isso primeiro. A melhor coisa a fazer é pegar “emprestado” um profissional da área técnica que possa te ajudar.

Melhor ainda… Estude constantemente todas as soluções que você vende. Na medida em quem vão fazendo apresentações, preste muita atenção e vá montando a sua base conhecimento.

 

 

Comente abaixo Você sabe quais as outras regras são importantes para ser um bom vendedor de software?